Translate

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Capítulo quinze

Será que eles vão me deixar entrar?
Vou ficar aqui quietinho e aguardar...
- Gente! Como o cãozinho irá se chamar? - disse Leka.
- Por mim, ele se chamava Salsichão! Ha Ha Ha- respondeu Júnior.
Esse Júnior parece não gostar e mim... desde que eu cheguei só fica rindo... Ei, Laine! Você vai deixar?
- Cãozinho, vou ali dentro buscar um cobertorzinho para forrar onde vai dormir.
- Tudo bem, Laine! Quanta felicidade! Eu tenho uma família... um lar... Sou o cão mais feliz do mundo!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Capítulo catorze

- Laine, Laine!
- Cãozinho, a sua água! Está fresquinha!
- Que delícia, Laine! Eu estava precisando... estava com muita sede...
- Leka! Junior! Venham aqui ver o cachorrinho!
- Quem é Leka? Quem é Junior? Eles vão me machucar? Eu não quero vê-los...
- Tadinho está tão magrinho... mas ele é bonitinho... como ele vai se chamar? - disse a garota baixinha com pinta no nariz.
- Credo! Que cachorro estranho... hahaha! Que tamanho de focinho! - falou o menino magrelo de óculos.
- Ei Laine, você vai deixar eles ficarem rindo de mim? 
- Ele veio te seguindo, mãe?
- Sim, Leka! Nem sei como conseguiu. A rua estava muito movimentada e por pouco o carro o atropela!
- Nossa, cãozinho! Você é muito levado!
- Sou nada, Leka! Sou um anjinho...
- Vou lá dentro pegar a câmera para tirar uma foto dele!
- Ah? O que é que a Leka vai fazer?
- Mãe, esse cachorro parece uma salsicha! Hahaha!
- Nossa, como este menino é enjoado! Laine se você não fizer algo eu vou fazer!
- Quieta, Junior! Ele está assim porque estava doente... ele ainda está recuperando.
A Leka veio de dentro da casa com um aparelho comprido nas mãos.
- Sorria, cãozinho!
Clic! 
Olhem só acendeu uma luzinha!
- Pronto, tirei a foto! Ele não ficou tão bonitinho mas nas próximas ele ficará!
E foi assim que tiraram o meu primeiro retrato!

sábado, 12 de dezembro de 2015

Capítulo treze

E agora o que eu faço: obedeço ou desobedeço a Laine?
Por um lado ela está certa... eu ainda estou fraquinho mas... mas... eu não quero ficar sozinho aqui na praça.
Vou desobedecê-la! Vou atrás dela! Vou devagarzinho e com cuidado para o carro não me pegar. Tenho de ficar atento para não perder a Laine de vista!
Então vamos lá seja o que Deus quiser!
Vou pela calçada porque as pessoas andam por aqui então deve ser seguro.
Será que a Laine vai para casa ou será que ela vai para outro lugar? Será que é muito longe?
Nossa que tanto de carros... que tanto de gente...
Olha! A Laine está atravessando a rua! Tenho de atravessar também!
Ixa! Ela me viu! 
- Ê cãozinho! Você está me seguindo né?
- Laine, eu não queria ter desobedecido... É que não queria ficar sozinho...
- Venha comigo! E cuidado!
- Ai que bom! Ela não se chateou! Você está brava comigo, Laine?
- Você é muito teimoso! Já pensou se o carro te atropela? Como eu iria ficar?
- Não se preocupe, Laine! Eu vim com cuidadinho!
Uau! E esta avenida com coqueiros? Que linda!
Ops! Vamos atravessar a rua novamente.
Espero que esteja chegando... já estou cansado!
- Cãozinho, esta é minha casa! Fique aí que vou buscar água para você!
Que legal! Até que enfim conheci a casa da Laine! 
Será que tem alguém lá dentro? Quem será? O que irá dizer?

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Capítulo doze

Nossa que legal! Que tanto de bonecos! Que tanto de bancos! 
E aquele círculo dourado lá na frente? O que é? Vou lá averiguar!
Puxa como brilha! Como é bonito! E esta mesa grande? O que será que colocam nela?
Tem uma salinha ali do lado, vou lá também...
Ops! Tem um senhor ajoelhado lá! 
Vou sair daqui antes que ele me xingue...
Olha só como aqui é grande! É espaçoso e cheira bom!
- Laine, cadê você?
Nossa que tanto de portas...
- Cãozinho, venha cá! Preciso trancar a Igreja!
- Já vou, Laine!
- Cãozinho, já pus comida e água frescos para você! Arrumei seu cobertorzinho! Fique quietinho, ok? Até amanhã!
- Ei, Laine! Aonde você vai? Por que não posso ir junto? Ei me responda, volte aqui!
- Cãozinho, volte! Senão você será atropelado! Você ainda está fraco!
- Laine, deixa eu ir... Não me deixe aqui...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Capítulo onze

1 mês depois...

Nossa como tem esquentado de alguns dias para cá.
Vou dar uma volta pelo outro lado da praça para ver o movimento.
Olha só! Uma Igreja! A porta está aberta! Vou entrar!
A Laine está lá dentro! Vou lá falar com ela!
- Cãozinho, é você? Me achou aqui né, espertinho!
- Sim, Laine. Fui andando meio sem rumo e te encontrei.O que você faz aqui?
- Cãozinho, fique aí quietinho, certo?
Que estranho! Às vezes eu converso com a Laine e ela me responde de imediato. Outras vezes não diz nada ou se diz não é o que perguntei.
 Estou confuso...